José Benício

Ir para o conteúdo

Menu principal

Amigos

Outros escritores

Uma introdução geral

Esse espaço dedico a todos os meus amigos poetas e escritores, que viajam comigo nessa estrada maravilhosa que é a poesia e a arte de escrever.

Com certeza não estarão todos, mas com o tempo vou recuperando os "rascunhos" tão preciosos que eles deixaram em minhas mãos durante essa nossa incessante viagem!

Um abraço a todos e meus agradecimentos por abrilhantarem esse espaço tão especial para mim.

Matemos os Poetas

Matemos os poetas que em vão divagam
Procuram vagos versos sem sentido ou nexo
E buscam, sem vergonha, mãos que nunca afagam
Estrofes, versos livres, sonetos complexos

Assassinemos todos que ficam aí pairando
Nos ares do Olimpo onde as musas cantam
E saem pelo mundo, cantando e ufanando
Sobre a inspiração, que cantos se alevantam

Risquemos deste livro o poetar sem graça
Sem pejo, sem bandeira, sem vontade ou brio
Sem musicar ardente, sentimento ou raça

Exterminemos, sim, sem medo e a sangue frio
Os versos sem sentidos que o poeta traça
- Depositemos todos no fundo do rio!

Fernando Tanajura

Você!

Acordei de madrugada
Com vontade de você.
Olhei para o lado da cama
E cadê você?

Peguei o telefone
E liguei pra você.
Ocupado...
Desliguei!

Logo em seguida tocou
Atendi! Era você
Sentindo a mesma vontade
Que eu estava de você.

Laerte Coelho


MUTILAÇÕES

Tornei-me assim, e fui vivendo...
Em cada esquina apresentada,
um leão, um atirador de facas,
um artesão sem dó

Pisei na arena dos gladiadores,
tiraram-me os dedos,
as unhas, o queixo
e todo o resto dessas dores

Tornei-me contra o sol
e a luz impertinente
cegou-me as vistas
já cansadas de tanto ver

Briguei em vão com lutadores
nobres, treinados com fervor
Deixei u’a mão aqui, outra acolá
— virei maneta de impenetráveis sonhos

De tanto caminhar, perdi os pés
As pernas bambas tremem
sem muito o que sentir —
— não me pertencem mais!

Cortaram meus cabelos,
com eles foi-se o escalpo
como um troféu selvagem
que espetam em seta torta

De tanto sofrimento,
deixaram-me sem partes
— há pedaços no chão,
há pedaços no ar...

O meu nariz, minha boca torta,
meu ouvido surdo,
os meus olhos, tudo em mim
foi relançado ao vento

do norte e d’outras vidas,
em dias de desgosto
ou em cada sim ou não
de tardes deste agosto

Ficou a minha angústia,
meu canto, minha agonia:
— Tranca-me em teu coração
e atira longe a chave pela janela!

Cata algo que ainda sobra,
coloca-o numa caixa como um souvenir
Restou-me ainda o verso, minha poesia:
— Salva o resto que sobrou de mim!

Fernando Tanajura

Deus Poeta

Deus faz discípulos de todos os seus talentos
Distribui como quer suas profissões
Foi arquiteto e engenheiro quando
projetou e construiu o universo
Desenhista, pintor, eletricista ...
Ele disse: haja Luz...
Paisagista, inventor, cientista
Foi  escultor, alfaiate, professor
Esculpiu Adão, fez a primeira roupa de Eva
Instituiu a música, criou para si um coral
E sendo Ele o próprio verbo
com alma sonhadora e imaginativa
criou  todas essas belezas
primícias da sensibilidade
por ser o mais incorrigível dos poetas...
E eu sua eterna aprendiz...

Sabrina Mori Araujo


Contracanto!

Entre encanto e desencanto
O meu canto
Um tanto acidez, um tanto dulçor,
Entretanto
Vou lapidando um canto
No recanto do meu coração
Pro acalanto do meu amor.

Entre tantos desencontros
Eis porque eu choro tanto
Quanto sonho, quanto dissabor,
Entre cantos busco um santo
Portanto
Que use o seu santo manto
Pra enxugar o pranto do meu amor.

Enquanto o meu canto canta
Encantos mil
Recanto revestido de amianto
Tanto e quanto canto puro sabor
Pra meu espanto
Meço com quantos versos faço
Um contracanto pro meu amor.

Dilson

Melodia e mais um passo

Finos lábios
Em contorno de carmim
Sutil vestimenta
Dando vida ao cetim

Na vitrola uma música
Botões, confusões
Algo assim

Pés descalços
Compassados em festim
Olhares que se incluem
Estopim...

Suzete Palitos

Medos e Remorsos

Sofrendo pelo medo de sofrer,
Entre angústias e dúvidas eu vivo.
E tais aflições das quais sou cativo
Perfazem-me não mais querer viver.

Pelo simples temor de algo não ter,
Quanto remorso que na alma cultivo!
Quantas lembranças lúgubres revivo,
A cada dia e a cada hora em meu ser!

São tantos ecos em meu coração!
E que jamais se vão da escuridão
Dos meus sonhos mais gélidos e amargos...

Pudesse a vida dar-me o esquecimento
De todas as verdades que lamento,
Tornando as dores cândidos afagos...

Renan Tempest

Sublime Momento

Uma camiseta com um verso escrito
Uma fotografia revelando seu lado "bobo"
Uma garrafa de vinho deixado pela metade
Um quarto bagunçado, muito amor espalhado!
Risos e lágrimas compartilhando o mesmo espaço
Quando a noite chegou, olhamos pela janela
Uma luz parecia levitar com os braços abertos
Seria uma imagem ou uma miragem?
Tudo tão mágico, tão perfeito
Tão fora, tão dentro de nós!

Marinez Novaes

Poema de Violão

Tantos sonhos,
Sonhos que tiver,
A tanto querer,
E realizar.

Eu preciso,
De qualquer maneira,
Não importa como,
Escrever.

Palavras soltas,
Sem par, sem ordem,
Palavras bonitas,
Para um poema nascer.

Ando por ai,
Observando os lugares,
Ando por ai,
Procurando palavras que possam tecer.

Busco nas
Cordas do violão,
Uma pequena palavra,
Para acender a minha inspiração.

Lisa Chable

Cecília

Salve Sousa! Salve Silva!
Salve a senda do Senhor!
Salve a Sálvia! A madressilva!
Salve a santa ao sedutor!

Salve a irmã! A mãe! A filha!
Salve a peça e seu autor!
Só não salve essa Cecília!
Dos suspiros do amor!

Qual d’um sonho nasce o infante,
Qual da graça nasce a dor,
Da roseira mais distante,
Sai Cecília, excelsa flor.

Surge um céu do seu semblante,
De seus olhos nasce a cor.

Hebane Lucácius


Do livro "O Fruto do Conhecimento"

Olho minha mão...
E percorro minhas digitais,
incrivelmente o tempo parou...
E minha mente agora está em paz.

A chuva que cai...
Me molha e me refresca,
dos meus cabelos escorre água...
Escorrendo o mal que me resta.

André Carretoni

Quando Nos Beijamos

Todo beijo nasce de um olhar,
Muito antes da gente se beijar,
Quando nada mais é que um desejo.
O melhor beijo é o que acontece
Nas fantasias que a mente tece,
Mil vezes antes de se concretizar...
Quanto tempo sonhei com o teu beijo!
Eu trocaria o que quer que seja
Pelo que sinto se você me beija,
Pelo prazer de também te beijar;
O momento mais doce de carinho
E de amor que pode existir!
De todas as viagens que eu fiz,
A melhor de todas, posso garantir,
Foi ir do teu queixo ao teu nariz,
E me perder no meio do caminho!

Sônia Regina Villarinho

Voltar para o conteúdo | Voltar para o Menu principal